2014-10-06_14-26-28

Circle and Cross

There is a long tradition of the linking the circle and the cross in the Western world, and perhaps elsewhere. In Northern Europe, pre-Christian sun-crosses such as those at Tanum in Sweden, provided the foundation for the Christian Celtic crosses still to be seen in Ireland, Great Britain, and some parts of mainland Europe such as Brittany in France.

The ancient Irish monasteries too were circular and divided by a cross. You may have heard of the Book of Kells, the illuminated eighth century book of the gospels, now housed at Trinity College in Dublin. The old monastery at Kells was designed in the shape of a circle and a cross. It was circular in shape and sub-divided into quadrants by four external Celtic crosses.

It’s very interesting that this combination, the circle and the cross, keeps appearing even in our own age. Take the great writer James Joyce. Have you ever tried to makes sense of his masterpiece, Finnegans Wake? The circle and the cross turn up regularly in the book. Its characters revolve in circles. HCE pedals around the Garden of Eden; his wife, ALP, revolves in the curve of Dublin’s River Liffey. Their sons, Shem and Shaun, circle around the globe:                                                                                                      Shaun from East to West and Shem from North to South. And when their orbits intersect, they form a cross.

In fact, the book itself, Finnegans Wake, is structured this way. It is circular in nature, the last line leading back to the first. And the sections of the book divided into quadrants, the first three corresponding to Vico’s three cycles: birth, marriage and death, and the fourth to his ricorso, as the culmination of the first three and leading to a new start.

What does this tell us about human existence? If you put together a circle and a cross and tie up the loose ends, they will form a knot, a borromean knot. This kind of a knot is best visualised as three circles linked together, not in an olympian way, but in such a way (each one going over under, over under the next) that if one circle is cut, all three fall away.

Every human subjectivity is constructed something like this. There are three dimensions to every human spirit or soul (psychology really means “talk about the soul”). There’s the Symbolic made up of language, bits and pieces of words, mainly unconscious; the Imaginary gives us an “I” and a certain sense of unity; and the Real remains outside of language, such as experiences of death, enjoyment, mysticism (as the Saints knew), for which we have no adequate words. What holds a human being together is the way we are able to knot ourselves together.

There is a lot of talk these days in spirituality circles of “untying knots” and there is much truth in what is being said. But untying the human borromean knot would be disastrous, not least for the various kinds of meaning we make in our lives. Thanks to Origen, the early Christian community was able to hold three and one together in God. Thanks to the creativity of the human mind, as we can see in Joyce, we can hold them together too.

Tom Dalzell

 

ESPAÑOL

La Cruz y el círculo

Hay una larga tradición en la que se une la cruz y el círculo en el mundo occidental, y quizás en otros lugares. En el norte de Europa, las cruces-sol precristianas como las de Tanum en Suecia, fueron la base para las Cruces Celtas cristianas que todavía pueden verse en Irlanda, Gran Bretaña, y algunas partes de Europa continental, como la Bretaña, en Francia.

Los antiguos monasterios irlandeses también eran circulares y divididos por una cruz. Es posible que hayas oído hablar del Book of Kells (El Libro de Kells), el Evangeliario ilustrado del siglo octavo, que se conserva en el Trinity College en Dublín. El antiguo monasterio de Kells fue diseñado con la forma de un círculo y una cruz. Era de forma circular subdividida en cuadrantes por cuatro cruces celtas externas.

Es muy interesante que esta combinación, la cruz y el círculo, siga apareciendo incluso en nuestra época. Por ejemplo en el gran escritor James Joyce. ¿Alguna vez has tratado de entender Finnegans Wake, su obra maestra? La cruz y el círculo aparecen con regularidad en el libro. Sus personajes giran en círculos. Humphrey (HCE) pedalea en círculos por el Jardín del Edén; Anna (ALP), su esposa,  da vueltas en la curva del río Liffey de Dublín. Sus hijos, Shem y Shaun, giran alrededor del globo: Shaun de Este a Oeste y Shem de Norte a Sur. Y cuando sus órbitas se cruzan, forman una cruz.

De hecho, el libro en sí, Finnegans Wake, está estructurado de esta manera. Es de naturaleza circular, la última línea conduce de nuevo a la primera. Y las secciones del libro están divididas en cuadrantes, los tres primeros corresponden al círculos de Vico: nacimiento, matrimonio y muerte, y el cuarto a su ricorso, como la culminación de los tres primeros y que conducen a un nuevo comienzo.

¿Qué nos dice esto acerca de la existencia humana? Si pones juntos un círculo y una cruz y atas los cabos sueltos, van a formar un nudo, un nudo borromeo. Este tipo de un nudo se ve mejor cuando se unen tres círculos entre sí, no de la forma en que están unidos los círculos olímpicos, sino de tal manera (cada uno de ellos va más bajo, más bajo el siguiente) que si se corta uno, los tres círculos caen.

Cada subjetividad humana está construida en algo como esto. Hay tres dimensiones del espíritu o el alma humana (psicología realmente significa “hablar sobre el alma”). Ahí está la simbolismo del lenguaje, los retazos de palabras, sobre todo inconscientes; lo Imaginario nos da un “yo” y un cierto sentido de unidad; y el real queda fuera del lenguaje, experiencias como la muerte, el gozo, el misticismo (como lo sabían los santos), para los que no tenemos palabras adecuadas. Lo que mantiene al ser humano unido es la manera en que somos capaces de anudarnos.

Se habla mucho en estos días en espiritualidad de “desatar nudos” en nuestros círculos y hay mucho de verdad en ello. Pero desatar el nudo borromeo de la persona sería desastroso, y no menos importante para los diferentes tipos de significado que hacemos en nuestras vidas. Gracias a Orígenes, la comunidad cristiana primitiva fue capaz de mantener junto Tres en Uno en Dios. Gracias a la creatividad de la mente humana, como podemos ver en Joyce, podemos mantenerlos juntos también.

Tom Dalzell

 

ITALIANO

Cerchio e croce

 

C’è una lunga tradizione nel mondo occidentale e forse anche altrove, che lega il cerchio e la croce. Nel Nord Europa, le croci solari pre-cristiane cosí come quelle di “Tanum” in Svezia, furono all’origine delle croci celtiche cristine che é ancora possibile vedere in Irlanda, Gran Bretagna, e alcune altre parti del continente europeo: come in Bretagna (Francia).

Anche gli antichi monasteri irlandesi erano rotondi e divisi da una croce. Potreste aver sentito parlare del “Libro di Kells”, un manoscritto miniato dei vangeli del secolo VIII che ora é custodito al “Trinity College” di Dublino. Il vecchio monastero di Kells è stato progettato a forma di cerchio con una croce. Era di forma rotonda e suddiviso in quadranti da quattro croci celtiche esterne.

E’ molto interessante che questa combinazione, di cerchio e croce, continua ad apparire anche nella nostra epoca. Prendiamo il grande scrittore James Joyce. Hai mai provato a dare una spiegazione al suo capolavoro, “Finnegans Wake”? Il cerchio e la croce compaiono regolarmente nel libro. I suoi personaggi ruotano in cerchio. Humphrey (HCE) pedala in cerchio dentro il Giardino dell’Eden. Anna (ALP), sua moglie, nella curva del fiume Liffey di Dublino si muove circolarmente. I loro figli, Shem e Shaun, ruotano  intorno al globo: Shaun da Est a Ovest e Sem da nord a sud. Quando le loro orbite si intersecano formano una croce.

In realtà lo stesso libro, Finnegans Wake, è strutturato in questo modo. E ‘circolare nella struttura, l’ultima riga riporta alla prima. Le sezioni del libro sono divise in quadranti, i primi tre corrispondono ai tre cicli di Vico: nascita, matrimonio e morte, e il quarto al suo “ricorso”, cioé il culmine dei primi tre che porta ad un nuovo inizio.

Che cosa ci dice questo riguardo all’esistenza umana? Mettendo insieme un cerchio e una croce e legando le estremità essi formeranno un nodo, un nodo Borromeo. Questo tipo di un nodo si vede meglio quando tre cerchi sono collegati tra loro, non in modo olimpionico, ma in modo tale che (ognuno passa contemporaneamente sotto e sopra al prossimo) se un cerchio è tagliato, tutti e tre si sciolgono.

Ogni soggettività umana ha costruito qualcosa di simile. Ci sono tre dimensioni in ogni spirito umano o anima (psicologia significa letteralmente “parlare dell’anima”). C’è il linguaggio simbolico fatto di frammenti di parole  prevalentemente inconscio; l’immaginario che ci dà un “io” e un certo senso di unità; e il reale che resta fuori dal linguaggio come l’esperienze della morte, il piacere e il misticismo (come sapevano i santi), per i quali non abbiamo parole adeguate. Ció che permette all’ essere umano di non frammentarsi è quanto riesce a restare legato.

C’è un gran parlare in questi giorni nei circoli spiritualità sullo “sciogliere i nodi” e  c’é molta verità in ciò che si dice. Infatti sciogliere il nodo Borromeo umano sarebbe disastroso, non da ultimo per i vari tipi di significato su cui costruiamo le nostre vite. Grazie a Origene, la comunità cristiana è stata in grado di mantenere unite in Dio tre persone in una. Cosí grazie alla creatività della mente umana, come possiamo vedere in Joyce, anche noi possiamo tenerli uniti.

Tom Dalzell

PORTUGUESE 

A cruz e o círculo

 

Há uma longa tradição que une a cruz e o círculo no mundo ocidental, e talvez em outros lugares. No norte da Europa, o cruz-sol pré-cristã como Tanum na Suécia, foi a base para as cruzes cristãs celtas que ainda podem ser vistas na Irlanda, Grã-Bretanha, e partes da Europa continental, como a Grã-Bretanha e França.

Os antigos mosteiros irlandeses também eram circulares e divididos por uma cruz. Você já deve ter ouvido falar do livro de Kells (Livro de Kells), livro ilustrado dos Evangelhos do século VIII, preservados no Trinity College, em Dublin. O antigo mosteiro de Kells foi projetado na forma de um círculo e uma cruz. Circular foi dividida em quadrantes por quatro cruzes celtas externas.

É muito interessante que esta combinação, a cruz e o círculo, ainda aparecem mesmo em nosso tempo. Por exemplo, no grande escritor James Joyce. Alguma vez você já tentou entender Finnegans Wake, sua obra-prima? A cruz e o círculo aparecem regularmente no livro. Seus personagens giram em círculos. Humphrey (HCE) pedala em círculos pelo jardim do Éden; Anna (ALP), sua esposa, dá voltas na curva do rio Liffey, em Dublin. Seus filhos, Shem e Shaun, dar voltas ao mundo: Shaun de leste a oeste e Shem de norte a sul. E quando suas órbitas se cruzam, formam uma cruz.

Na verdade, o próprio livro, Finnegans Wake, é estruturado dessa maneira. É de natureza circular, a última linha leva de volta à primeira. E as seções do livro estão divididas em quadrantes, os três primeiros correspondem aos círculos de Vico: nascimento, casamento e morte, e sua quarta recurso, como a culminação dos três primeiros e que levam a um novo começo.

O que isso nos diz sobre a existência humana? Se você juntar um círculo e uma cruz, amarrar as pontas soltas irá formar um nó, um nó Borromeu. Este tipo de nó é melhor quando três círculos são unidos, não do jeito que eles estão unidos em círculos olímpicos, mas de tal maneira que (cada um dos círculos esteja mais baixo e assim sucessivamente), se corta um, os três círculos caem.

Toda a subjetividade humana é construída sobre assim. Há três dimensões do espírito ou da alma humana (psicologia na verdade significa “falar sobre a alma”). Esse é o simbolismo da linguagem, pedaços de palavras, especialmente inconsciente; O imaginário nos dá um “eu” e um sentido de unidade; e real fica fora da linguagem, experiências como a morte, a alegria, o misticismo (como eles sabiam dos santos), para as quais não temos palavras certas. O que mantém o ser humano unido é a maneira, a capacidade que ele tem de “dar nós”.

Fala-se muito hoje em dia na espiritualidade “desatar nós” em nossos círculos e há muita verdade nisso. Mas desatar o nó Borromeu da pessoa seria desastroso, não menos importante para os diferentes tipos de significado que fazemos em nossas vidas. Graças a Orígenes, a primeira comunidade cristã que foi capaz de manter juntos Três pessoas em Um Deus. Graças à criatividade da mente humana, como podemos ver em Joyce, podemos mantê-los juntos também.

 

Tom Dalzell

Anuncios